Estreias da Semana - 21/07/2016

(21 de jul de 2016)



Confira em destaque as estreias desta quinta-feira a seguir:



A Lenda de Tarzan

Releitura da clássica lenda de Tarzan, na qual um pequeno garoto órfão é criado na selva, e mais tarde tenta se adaptar à vida entre os humanos. Na década de 1930, Tarzan, acostumado à vida em Londres em conjunto com sua esposa Jane, é chamado para retornar à selva onde passou a maior parte de sua vida onde servirá como um emissário do Parlamento Britânico.

Ação / Aventura / Drama / Romance - (The Legend of Tarzan) EUA, 2016.

Direção: David Yates.
Roteiro: Adam Cozad e Craig Brewer.
Elenco: Alexander Skarsgård, Rory J. Saper, Christian Stevens, Christoph Waltz, Samuel L. Jackson, Margot Robbie, Sidney Ralitsoele, Osy Ikhile, Casper Crump, Mens-Sana Tamakloe, Djimon Hounsou, Faith Edwards, Jim Broadbent, Genevieve O'Reilly, Hadley Fraser, William Wollen, Antony Acheampong, Ashley Byam, Edward Apeagyei, dentre outros.

Duração: 110 min.
Classificação: 12 anos.



Dois Caras Legais

Na Los Angeles dos anos 1970, a filha de uma funcionária do Departamento de Justiça dos EUA é sequestrada e ela decide contratar Jackson Healy. brutamontes violento ex-alcóolatra, para investigar o caso. O trabalho revela-se mais complicado que o esperado e ele decide contar com a ajuda de um medroso e atrapalhado detetive.

Comédia / Policial / Ação / Mistério - (The Nice Guys) EUA, 2016.

Direção: Shane Black.
Roteiro: Shane Black e Anthony Bagarozzi.
Elenco: Russell Crowe, Ryan Gosling, Angourie Rice, Matt Bomer, Margaret Qualley, Yaya DaCosta, Keith David, Beau Knapp, Lois Smith, Kim Basinger, Daisy Tahan, Murielle Telio, Gil Gerard, Ty Simpkins, dentre outros.

Duração: 116 min.
Classificação: 14 anos.



Entre Idas e Vindas

Afonso é um professor universitário separado, que vive com o filho Benedito. Um dia, eles resolvem fazer uma viagem juntos, mas enfrentam problemas quando o carro deles quebra. Eles são ajudados por quatro operadoras de telemarketing muito bonitas, que os levam de volta a São Paulo. Só que Afonso acaba se apaixonando pela líder delas, Amanda.

Comédia - Brasil, 2014.

Direção: José Eduardo Belmonte.
Roteiro: José Eduardo Belmonte e Cláudia Jouvin.
Elenco: Fábio Assunção, Ingrid Guimarães, Rosane Mulholland, Alice Braga, Caroline Abras, João Assunção, Otávio Müller, Grazi Massafera, dentre outros.

Duração: 100 min.
Classificação: 12 anos.



Mãe só há uma

Pierre descobre que sua família não é biológica quando a polícia prende sua mãe. Contudo, ele vai atrás de seus parentes verdadeiros, que o conhecem como Felipe, e a nova realidade faz com que o rapaz encontre finalmente sua real identidade.

Comédia / Drama - Brasil, 2016.

Direção: Anna Muylaert.
Roteiro: Anna Muylaert e Marcelo Caetano.
Elenco: Naomi Nero, Dani Nefussi, Matheus Nachtergaele, Luciana Paes, Helena Albergaria, Renê Guerra, dentre outros.

Duração: 82 min.
Classificação: 16 anos.



Life - Um Retrato de James Dean

Às vésperas do lançamento do filme "Vidas Amargas", James Dean ainda não é um ator famoso. Os estúdios têm grandes planos para transformá-lo em um astro, mas ele não se sente à vontade com a vida de festas, eventos e autógrafos. O fotógrafo Dennis Stock, apostando no sucesso iminente de Dean, pede para fotografá-lo em um ensaio para a revista Life, mas recebe apenas respostas negativas. Um dia, para fugir da promoção de "Vidas Amargas", Dean esconde-se na fazenda de sua família, e leva o novo amigo Stock junto com ele. Neste local, o fotógrafo registra as imagens mais famosas de toda a carreira do ator.

Drama / Biografia - (Life) EUA / Inglaterra / Alemanha / Canadá / Austrália, 2015.

Direção: Anton Corbijn.
Roteiro: Luke Davies.
Elenco: Dane DeHaan, Robert Pattinson, Peter Lucas, Lauren Gallagher, Alessandra Mastronardi, John Blackwood, Jason Blicker, Emily Hurson, Joel Edgerton, Ben Kingsley, Kristian Bruun, Anton Corbijn, Emma Pedersen, dentre outros.

Duração: 111 min.
Classificação: 14 anos.



Chocolate

O jovem negro Rafael Padilha nasceu em Cuba em 1868 e foi vendido quando ainda era criança. Anos depois ele consegue fugir e é encontrado nas docas por um palhaço que o coloca nas suas apresentações. Em seguida, Padilha passa a ser conhecido como Chocolat, tornando-se o primeiro artista circense negro na França, um grande sucesso no final do Século XIX.

Drama / Biografia - (Chocolat) França, 2015.

Direção: Roschdy Zem.
Roteiro: Cyril Gely, Olivier Gorce, Gérard Noiriel e Roschdy Zem.
Elenco: Omar Sy, James Thierrée, Clotilde Hesme, Olivier Gourmet, Frédéric Pierrot, Noémie Lvovsky, Olivier Rabourdin, Xavier Beauvois, dentre outros.

Duração: 120 min.
Classificação: 12 anos.



Um Dia Perfeito

Um grupo de ajuda humanitária mora há muito tempo numa região dos Bálcãs, em pleno período de guerra. Eles auxiliam o povo em suas tarefas cotidianas, enquanto servem de contato imediato com a ONU. Um dia, o principal problema dos experientes Mambrú e B e da novata Sophie é retirar com rapidez o cadáver jogado no único poço da cidade, para impedir que a água fique contaminada. Mas a situação é mais complexa que aparenta, e percebem que retirar o corpo pode contrariar os interesses do povo.

Drama / Comédia - (A Perfect Day) Espanha, 2015.

Direção: Fernando León de Aranoa.
Roteiro: Fernando León de Aranoa e Diego Farias.
Elenco: Benicio Del Toro, Tim Robbins, Olga Kurylenko, Mélanie Thierry, Fedja Stukan, Eldar Residovic, Sergi López, dentre outros.

Duração: 106 min.
Classificação: 12 anos.



Posted in 0 comentários Postado por Eduardo Jencarelli às 13:50  

Garry Marshall: 1934 - 2016

(20 de jul de 2016)



Morreu nesta terça-feira o cineasta Garry Marshall, devido a complicações de pneumonia derivados de um derrame que havia sofrido. Ele tinha 81 anos de idade.



Marshall foi um cineasta de certa forma popular. Tendo surgido nas décadas de 1960 e 1970, ele foi ao contrário dos movimentos neo-realistas da época e focou em divertir o público, sempre produzindo séries e filmes comerciais. Para ele, era mais importante dar isso, produzindo obras com a melhor técnica possível, sem jamais tratar comédia como um gênero inferior ou menos merecedor do esforço. Sempre tentando realizar o melhor trabalho possível em prol do gosto popular. Em outras palavras, são filmes água com açucar que rendem uma boa Sessão da Tarde.



Um de seus primeiros trabalhos foi como roteirista no Dick Van Dyke Show. Mas ele ficou realmente famoso ao criar o seriado Dias Felizes, que se tornou um fenômeno cultural norte-americano. A série mostrava uma versão idealizada de uma família da década de 1950. Foi daí que surgiram atores como Ron Howard, que mais tarde tornou-se diretor.



Mais tarde, ele passou a dirigir filmes. De certa forma, ele foi um dos pais por trás da comédia romântica como a gente conhece. Fãs de cinema irão se lembrar de sua maior obra. Uma Linda Mulher lançou as carreiras de Julia Roberts e Richard Gere. Originalmente, o filme era para ser uma história séria sobre diferenças sociais e os riscos de uma carreira em prostituição. Quando Marshall entrou no projeto, o foco mudou, tornando o resultado final bem mais leve e digerível para o público.



Todos que conheceram Marshall sempre lembram de seu bom humor e capacidade de contar histórias, alegrando a todos. Ele nunca foi um diretor difícil ou exigente, e sempre se deu bem com todos. Sua família ainda trabalha em hollywood. Seu filho Scott Marshall é um diretor, e sua irmã Penny Marshall também dirige e atua.


Marshall sempre dividiu a crítica, mas seus filmes geralmente foram aceitos pelo público. Suas últimas obras focaram em múltiplas tramas girando em torno de um elemento central, como visto em Dia dos Namorados e Noite de Ano Novo. Seu último filme foi O Maior Amor do Mundo, lançado em maio.


Fique com uma cena clássica de Uma Linda Mulher logo abaixo:




Posted in 0 comentários Postado por Eduardo Jencarelli às 12:50  



Jornada nas Estrelas (Star Trek) está para completar 50 anos de existência, no dia 8 de setembro. Este é um de vários posts sobre a longa história dessa franquia.



Tudo começou na década de 1960. Gene Roddenberry, veterano da Segunda Guerra Mundial, havia se tornado um roteirista de TV no crescente mercado norte-americano. Foi durante a produção do seriado The Lieutenant onde ele se familiarizou com vários atores que fariam parte de Jornada.


A própria tentativa de vender Star Trek para o canal NBC foi uma batalha interminável. Naquele período, a tendência na TV americana era de vender séries de comédia, aventura ou dramas familiares. Ficção científica era um bicho de sete cabeças, e eram poucos os executivos em hollywood que viam qualquer potencial lucrativo em tal empreendimento. Para eles, o segmento que continha o público-alvo era muito pequeno para ter relevância.


E quando Roddenberry finalizou o episódio-piloto que daria o pontapé inicial ao seriado, vieram mais complicações. A NBC considerou o produto "cerebral" demais para o público, focando em dilemas morais complexos em detrimento de drama e ação. Contudo, ficaram impressionados com a ambição do roteiro de A Jaula e pediram um segundo episódio-piloto com mais enfoque na ação e mais conflito entre os personagens. Pediram três histórias diferentes com base na bíblia do seriado criada por Roddenberry, e por fim selecionaram Aonde nenhum Homem jamais esteve, um roteiro escrito por Samuel A Peeples. Com o segundo piloto aprovado, a série foi adiante.


Uma das mudanças de imediato na produção foi uma mudança radical de elenco. No piloto original, o capitão era vivido pelo astro Jeffrey Hunter. A segunda-tenente era vivida por Majel Barrett (que eventualmente casaria com Roddenberry). O único rosto familiar era Leonard Nimoy interpretando o vulcano Spock. Ele foi o único ator* que Roddenberry conseguiu segurar para o segundo piloto.


*Apesar de ter sido rejeitada no piloto original, Roddenberry conseguiu reintroduzir Barrett no papel da Enfermeira Chapel no meio da primeira temporada.


Foi no segundo piloto que os produtores escalaram William Shatner e criaram o papel do capitão James T. Kirk. O estilo teatral de Shatner foi essencial na construção do personagem e sua popularidade dentre os fãs.


E assim começou a jornada. Exibida de 1966 a 1969, a série contou as viagens e aventuras da U.S.S. Enterprise e sua tripulação, numa missão de cinco anos pelos confins do espaço. Só que ao invés de séries como Perdidos no Espaço ou Terra de Gigantes, Jornada procurava sempre gerar drama através de dilemas morais sempre que possível. Não era uma jornada sem rumo, e sim uma missão com diretrizes bem específicas.


Muitas das histórias contadas no seriado eram alegorias a questões reais, tais como a guerra fria, o nazismo, direitos raciais e outras questões sociais. Roddenberry, ao lado de roteiristas talentosos como Gene L.Coon, D.C. Fontana, John Meredyth Lucas, Richard MathesonDavid Gerrold, Harlan Ellison e Theodore Sturgeon eram capazes de abordar todos os assuntos que eram proibidos na TV daquela época. Graças ao ambiente futurista e a premissa de aventura, eles foram capazes de burlar esses limites e desafiarem cada questão de forma provocativa.


Mas a alma de jornada não eram as tramas ou alegorias sociais em si. O ponto central da série era a dinâmica entre os personagens que compunham esta tripulação. Não há como negar o impacto que Spock teve na cultura mundial, e a forma como Nimoy interpretou o personagem com sutileza e uma complexidade fora do normal, sabendo injetar humor num personagem desprovido de tal emoção. Os debates entre lógica e emoção também foram centrais nos conflitos da série. A dinâmica entre Spock, Kirk e McCoy foi a base para a grande maioria dos episódios.


Além deles, a série tinha um elenco de apoio extremamente diverso, com George Takei interpretando o japonês Sulu, Nichelle Nichols interpretando a africana Uhura, Walter Koenig vivendo o russo Chekov e James Doohan como o escocês Scotty. Hoje estamos acostumados com elencos de origens distintas, mas na década de 1960 era uma manobra ambiciosa por parte da produção, ainda mais quando estes personagens exerciam funções fundamentais na nave ao invés de seguirem a tendência da época que era personagens étnicos serem servos de classe inferior.


O seriado foi ameaçado de cancelamento durante toda sua exibição. Foi necessário o esforço de fãs dispostos a escrever cartas de protesto a NBC para que a série fosse mantida no ar. Hoje, você vê o legado desse fenômeno. O fato de que há fãs dispostos a bancar tantas produções independentes baseadas neste universo mostra o quanto a paixão move as pessoas. Star Trek também inspirou gerações de cientistas, intelectuais e professores, todos determinados a impulsionar um progresso para toda a humanidade, representando os melhores valores de cada um.


E foi uma produção conturbada. Roddenberry tinha brigas sérias com muitos dos roteiristas na tentativa de manter o controle criativo sobre a obra, e ao mesmo tempo gerar tramas que fossem fiéis aos parâmetros da série. Essas disputas levaram a colapsos nervosos de gente como Gene Coon, que acabou deixando as pressões da produção de lado.


Apesar dos contratempos, eles foram capazes de produzir duas temporadas repletas de episódios marcantes. Roddenberry inclusive foi capaz de reaproveitar a maior parte do piloto original num episódio especial de duas horas que envolvera Kirk e Spock com o personagem de Hunter, o antigo capitão Christopher Pike.


Outro episódio marcante foi A Cidade á Beira da Eternidade. Escrito por Harlan Ellison, o episódio colocou Kirk e Spock numa corrida de volta ao passado para impedir que McCoy alterasse a história da humanidade, forçando que Kirk permitisse a morte de Edith Keeler, a paixão de sua vida. Uma história trágica repleta de conflitos e arrependimento que rendera uma premiação ao Hugo.


A série também tinha potencial cômico. Quem não lembra do episódio Problemas aos Pingos? A tripulação da nave adota um pingo, uma pequena bola de pelo que se reproduz rapidamente e acaba provocando uma infestação incontrolável. Dentre essa questão mais uma disputa territorial contra os Klingons, foi um prato cheio para os fãs. O episódio foi tão marcante que gerou uma homenagem quase 30 anos depois na série Deep Space Nine.


A renovação da série para uma terceira temporada parecia ser uma nova chance da série provar seu valor para o público. Contudo, a NBC transferiu o horário de exibição para sexta-feira à noite, minando qualquer chance de ganhar público. Esse "horário da morte" literalmente matou a série. Além da péssima audiência, a NBC havia cortado o orçamento, forçando limitações brutais na capacidade da produção em contar histórias. De quatro episódios, um se passava inteiramente dentro da nave sem atores convidados, a fim de economizar dinheiro. Por fim, o produtor Fred Freiberger que assumiu a série após a desistência de Roddenberry tornou-se a figura responsável pela queda de qualidade do produto final, repleto de episódios preguiçosos ou falhos. O Cérebro de Spock foi um desses, mostrando uma trama completamente inverossímil até para os padrões de ficção científica que a série tentava preservar.


Infelizmente, não teve como salvar a série pela terceira vez, e assim Jornadas nas Estrelas foi cancelada com 79 episódios. Contudo, esse era apenas o início de uma longa jornada para os fãs, que começaram a descobrir o seriado através de reprises nos anos seguintes, e fez a Paramount perceber que tinha uma franquia em suas mãos.


Fique com uma cena do episódio Tempo de Loucura, da segunda temporada, logo abaixo:




Posted in 0 comentários Postado por Eduardo Jencarelli às 13:49  

Estreias da Semana - 14/07/2016

(14 de jul de 2016)



Confira em destaque as estreias desta quinta-feira a seguir:


Caça-Fantasmas

Uma respeitada professora da Universidade de Columbia, Erin Gilbert, escreveu anos antes um livro sobre a existência de fantasmas em parceria com a colega Abby Yates. A obra, que nunca foi levada a sério, é descoberta por seus pares acadêmicos e Erin perde o emprego. Quando Patty Tolan, funcionária do metrô de Nova York, presencia estranhos eventos no subterrâneo, Erin, Abby e Jillian Holtzmann se unem e partem para a ação, a fim de salvar a cidade.

Ação / Comédia / Ficção Científica - (Ghostbusters) EUA, 2016.

Direção: Paul Feig.
Roteiro: Katie Dippold e Paul Feig.
Elenco: Kristen Wiig, Melissa McCarthy, Kate McKinnon, Leslie Jones, Ed Begley Jr., Charles Dance, Zach Woods, Karan Soni, Steve Higgins, Neil Casey, Katie Dippold, Chris Hemsworth, Nate Corddry, Bill Murray, Ozzy Osbourne, Toby Huss, Michael Kenneth Williams, Matt Walsh, Andy Garcia, Cecily Strong, Annie Potts, Dan Aykroyd, Ernie Hudson, Sigourney Weaver, dentre outros.

Duração: 116 min.
Classificação: 10 anos.



Carrossel 2 - O Sumiço de Maria Joaquina

Famosas por conta do sucesso do clipe de PanáPaná na internet, as crianças chamam a atenção de uma estrela da música brasileira, que decide convidar toda a galera da escola Mundial para um de seus shows. No entanto, o que tinha tudo para ser uma ótima excursão ganha ares de filme de terror quando os vilões Gonzales e Gonzalito, recém-saídos da prisão, decidem sequestrar Maria Joaquina.

Aventura / Comédia - Brasil, 2016.

Direção: Mauricio Eça.
Roteiro: Márcio Alemão Delgado.
Elenco: Larissa Manoela, Jean Paulo Campos, Maísa Silva, Rosane Mulholland, Paulo Miklos, Oscar Filho, Miá Mello, Elke Maravilha, Matheus Ueta, Noemi Gerbelli, Nicholas Torres, Lucas Santos, dentre outros.

Duração: 93 min.
Classificação: Livre.



A Última Premonição

Uma jovem mulher sofre um grave acidente de carro, e sobrevive por pouco. Enquanto se recupera, começa a ter estranhos pesadelos, que os médicos descrevem como consequências comuns do trauma que viveu. Pouco depois, ela se descobre grávida, e muda para uma nova casa com o marido. Mas as visões tornam-se cada vez mais graves e violentas, ameaçando todos ao redor.

Horror / Mistério / Suspense - (Visions) EUA, 2015.

Direção: Kevin Greutert.
Roteiro: Lucas Sussman e L.D. Goffigan.
Elenco: Isla Fisher, Anson Mount, Gillian Jacobs, Joanna Cassidy, Eva Longoria, Jim Parsons, Michael Villar, Bryce Johnson, John de Lancie, Annie Tedesco, dentre outros.

Duração: 82 min.
Classificação: 14 anos.



Agnus Dei

Durante o fim da Segunda Guerra Mundial, na Polônia, a enfermeira francesa Mathilde descobre que as freiras moradoras de um convento vizinho foram estupradas por soldados invasores. Muitas delas estão grávidas. Apesar da ordem de prestar socorro apenas aos franceses, Mathilde começa a tratar secretamente de todas as freiras e madres. Ela deve enfrentar os julgamentos das próprias pacientes, que se sentem culpados por terem violado o voto de castidade, e se recusam a ter o corpo tocado por quem quer que seja, mesmo uma enfermeira.

Drama - (Les Innocentes) França / Polônia, 2016.

Direção: Anne Fontaine.
Roteiro: Sabrina B. Karine, Alice Vial, Pascal Bonitzer e Anne Fontaine.
Elenco: Lou de Laâge, Agata Buzek, Agata Kulesza, Vincent Macaigne, Joanna Kulig, Eliza Rycembel, Katarzyna Dabrowska, Anna Próchniak, Dorota Kuduk, Helena Sujecka, Mira Maluszinska, dentre outros.

Duração: 115 min.
Classificação: 12 anos.



La Vanité

David Miller deseja morrer e escolhe a eutanásia assistida como uma saída. Com lugar, hora e maneira, ele deixa tudo planejado. Porém, nada dá certo. Na sua última noite, ele sai com totais estranhos.

Comédia / Drama - França / Suíça, 2015.

Direção: Lionel Baier.
Roteiro: Lionel Baier e Julien Bouissoux.
Elenco: Patrick Lapp, Carmen Maura, Ivan Georgiev, Adrien Barazzone, Nina Théron, Pierre-Isaie Duc, Monique Kramer, dentre outros.

Duração: 75 min.
Classificação: 12 anos.


Posted in 0 comentários Postado por Eduardo Jencarelli às 12:29  

O infográfico de Star Wars

(12 de jul de 2016)



Na internet tudo é possível.


E quando um filme tem a base de fãs fervorosos que Star Wars tem, pode ter certeza que a paixão e o fanatismo por essa obra de ficção é capaz de produzir resultados incríveis. Esse é o impacto que esse universo cinematográfico criado por George Lucas causou.


Criado pelo artista Martin Panchaud, o infográfico conta a história do filme original em pleno detalhe. Ele foi criado utilizando o Adobe Illustrator e mostra cada personagem em relação aos cenários utilizados no filme, além de seguir fielmente o roteiro original e transcrever cada fala de cada personagem.


Sem mais demora, confira o infográfico. E reserve tempo de sobra, porque ele percorre o filme inteiro, e vale muito a pena conferir cada detalhe até o fim. Há também links para outros trabalhos do artista e até mesmo um making of do processo de criação.


Posted in 0 comentários Postado por Eduardo Jencarelli às 12:37  

Momento Trivia: Procurando Dory

(8 de jul de 2016)



Confira alguns fatos e curiosidades sobre o filme:



- É o 17º longa-metragem dos estúdios Pixar.


- Após uma longa campanha por parte de fãs para que Procurando Nemo tivesse uma continuação, o filme foi anunciado oficialmente no programa da Ellen DeGeneres, comediante que dubla a personagem Dory.


- O caminhão possui uma placa com o número A113. Essa é uma referência a uma sala de aula no Califórnia Insitute of the Arts, onde vários animadores da Pixar estudaram, incluindo o diretor Andrew Stanton e também outros veteranos do estúdio como Brad Bird e Jim Reardon.


- Originalmente, parte da trama do filme se passava num parque aquático. Após o pessoal da Pixar assistir o controverso documentário Blackfish (2013), que criticou ferozmente parques como o Sea World, o roteiro foi mudado para se passar em um instituto de biologia marítima.


- Quem faz a voz do interfone no instituto de biologia marítima é Sigourney Weaver. Ela também fez a voz da narradora da nava Axiom no filme WALL-E, também dirigido por Stanton.


- Uma foto de Darla, a menina que usava aparelho no primeiro filme, pode ser vista no fundo quando Dory visita o centro de quarentena.


- Personagens secundários de outros filmes da Pixar fazem pequenas aparições no longa, incluindo as crianças da creche de Toy Story 3 e alguns adolescentes vistos em Divertida Mente.


- A idéia de contar a história de Dory via flashbacks foi concebida originalmente para o personagem Marlin em Procurando Nemo (2003). A idéia era revelar a morte da esposa através de flashbacks graduais até a grande revelação no fim do segundo ato. Contudo, Stanton percebeu que Marlin não gerava simpatia por parte do público, a idéia foi abandonada e o roteiro foi alterado, colocando toda a tragédia de Marlin no início do filme.


- Jerome Ranft dublou a voz de Jacques, substituindo o irmão e animador Joe Ranft, que morrera subitamente em 2005.


- O dublador de Nemo foi mudado. Alexander Gould, tendo crescido nos 13 anos desde o filme original, foi substituído pelo ator-mirim Hayden Rolence. Gould ainda faz uma ponta no filme, dublando como um passageiro chamado Carl.


Posted in 0 comentários Postado por Eduardo Jencarelli às 12:00  

Estreias da Semana - 07/07/2016

(7 de jul de 2016)



Confira em destaque as estreias desta quinta-feira a seguir:



A Era do Gelo: O Big Bang

Depois que o esquilo Scrat provoca um acidente espacial em sua incansável perseguição pela noz, um enorme meteoro entra em rota de colisão com a Terra, ameaçando o lar de Manny, Diego, Sid e cia. Sem saber o que fazer para reverter a situação, eles terão que confiar em Buck, a elétrica doninha caolha do terceiro filme - único do grupo que realmente tem um plano para evitar o trágico fim de todos. Paralelamente, Manny e Erin têm que lidar com a iminente saída de Amora de casa, ao passo que Diego e Shira pensam em aumentar a família e Sid parece finalmente encontrar o amor.

Animação / Aventura / Comédia - (Ice Age: Collison Course) EUA, 2016.

Direção: Mike Thurmeier e Galen T. Chu.
Roteiro: Michael Berg e Michael J. Wilson.
Elenco: Ray Romano, John Leguizamo, Denis Leary, Queen Latifah, Seann William Scott, Josh Peck, Nick Offerman, Adam Devine, Simon Pegg, Jennifer Lopez, Melissa Rauch, Max Greenfield, Jesse Tyler Ferguson, Neil deGrasse Tyson, Chris Wedge, dentre outros.

Duração: 100 min.
Classificação: Livre.



Janis: Little Girl Blue

O documentário gira em torno de Janis Joplin, uma estrela do rock norte-americano. Porém, é abordado uma visão fora da música, revelando a mulher doce, sensível, confiável e poderosa que era por trás da lenda. Um relato de uma vida épica e turbulenta que mudou o mundo da música para sempre.

Documentário / Biografia / Musical - EUA, 2015.

Direção: Amy Berg.
Elenco: Janis Joplin, Cat Power, Karleen Bennett, Laura Joplin, Michael Joplin, Bob Weis, Clive Davis, Dick Cavett, Pink, Kris Kristofferson, dentre outros.

Duração: 103 min.
Classificação: 14 anos.



Florence: Quem é essa Mulher?

Florence Foster Jenkins é uma rica herdeira que persegue obsessivamente uma carreira de cantora de ópera. Aos seus ouvidos, sua voz é linda, mas para todos os outros é absurdamente horrível. O ator St. Clair Bayfield, seu companheiro, tenta protegê-la de todas as formas da dura verdade, mas um concerto público coloca toda a farsa em risco.

Biografia / Drama / Comédia - (Florence Foster Jenkins) Inglaterra, 2016.

Direção: Stephen Frears.
Roteiro: Nicholas Martin.
Elenco: Meryl Streep, Hugh Grant, Simon Helberg, Rebecca Ferguson, Neve Gachev, Nina Arianda, John Kavanagh, Jorge Leon Martinez, David Haig, Mark Arnold, Josh O'Connor, Christian McKay, dentre outros.

Duração: 110 min.
Classificação: 10 anos.



Julieta

Julieta é uma mulher de meia idade que está prestes a se mudar de Madri para Portugal, para acompanhar seu namorado Lorenzo. Entretanto, um encontro fortuito na rua com Beatriz, uma antiga amiga de sua filha Antía, faz com que Julieta rapidamente desista da mudança. Ela resolve se mudar para o antigo prédio em que vivia, também em Madri, e lá começa a escrever uma carta para a filha, relembrando o passado entre as duas.

Drama - Espanha, 2016.

Direção: Pedro Almodóvar.
Roteiro: Pedro Almodóvar.
Elenco: Emma Suárez, Adriana Ugarte, Inma Cuesta, Michelle Jenner, Rossy de Palma, Daniel Grao, Darío Grandinetti, Nathalie Poza, Agustín Almodóvar, Bimba Bosé, Susi Sánchez, dentre outros.

Duração: 99 min.
Classificação: 16 anos.



Os Campos Voltarão

1917. Um grupo de soldados italianos está se aproximando de trincheiras inimigas nas montanhas, no final da Primeira Guerra Mundial. Ao redor, apenas neve e silêncio, homens entre longas e intermináveis esperas. A situação é aterrorizante. E quando novas ordens chegam, ninguém sabe se vai conseguir sobreviver.

Drama / Guerra - (Tornerano I Prati) Itália, 2014.

Direção: Ermanno Olmi.
Roteiro: Ermanno Olmi.
Elenco: Claudio Santamaria, Camillo Grassi, Niccolò Senni, Andrea Di Maria, Francesco Formichetti, Andrea Benetti, Domenico Benetti, Alessandro Sperduti, dentre outros.

Duração: 80 min.
Classificação: 14 anos.



Um Belo Verão

Em 1971, a França atravessa a época da liberação sexual e o ápice do feminismo. Neste contexto, Delphine abandona sua família no interior do país para descobrir a vida intensa em Paris. Chegando à capital, conhece Carole, que vive com o namorado Manuel. Delphine e Carole se aproximam e iniciam uma história de amor.

Drama / Romance - (La Belle Saison) França / Bélgica, 2015.

Direção: Catherine Corsini.
Roteiro: Catherine Corsini e Laurette Polmanss.
Elenco: Cécile De France, Izïa Higelin, Noémie Lvovsky, Jean-Henri Compère, Loulou Hanssen, Kévin Azaïs, Benjamin Bellecour, Laetitia Dosch, Sarah Suco, dentre outros.

Duração: 105 min.
Classificação: 14 anos.



Posted in 0 comentários Postado por Eduardo Jencarelli às 13:12