Quem leva o Oscar esse ano?

(24 de fev de 2017)




Geralmente é possível ter uma boa previsão de como serão os Oscars. Já esse ano é uma incognita. 2016 não foi um ano com filmes marcantes que você assiste e diz que ele será um grande favorito.


Parte da indústria e da imprensa congregou em torno de La La Land como favorito, e é provavelmente o caso, mas nem este tem sido um poço de opiniões unânimes. Existe uma tendência em hollywood de se autopremiar, que no caso se refere a preferência por filmes que exaltam o próprio cinema em si. Um caso recente foi o de Birdman, que levou diversos prêmios ao contar a história de um ator conhecido como ex-super-herói que tenta se redescobrir e voltar a relevância se apropriando de um projeto autoral. Verdade seja dita, Hollywood curte falar de si própria, e por isso mesmo os membros da academia (atores, diretores, produtores e roteiristas) costumam votar em qualquer obra que fale deles. Este é um fator que favorece o musical.


Contudo, boa parte da crítica questiona as credenciais do filme. Muitos argumentam com razão que Ryan Gosling e Emma Stone não tem o devido talento para dança ou música. Tanto que o diretor Damien Chazelle acabou por focar mais na nostalgia e menos nos números musicais ou na coreografia. Espero que não leve todos os prêmios, porque por mais que o filme tenha suas qualidades, acho que está longe de ser um concorrente de peso. Ser bem feito não significa que o filme se excede ou vai além do esperado, porque realmente não vai. Este é um trabalho tão seguro e conservador quanto um filme de Woody Allen, sem ousadia ou disposição para realmente prender o público com vontade. Em outras palavras, La La Land não é nenhum Whiplash.


Manchester à Beira Mar provavelmente deve levar a estatueta de Melhor Ator. Dirigido por Kenneth Lonergan com uma estética realista, o filme fez com que Casey Affleck mostrasse uma profundidade e sutileza inatingíveis. Fica em aberto se o suposto episódio dele assediando a diretora de fotografia de I'm Still Here anos antes irá afetar suas chances. Mas vale levar em conta que Polanski já levou um Oscar. É uma questão de desassociar o trabalho artístico da pessoa por trás dele, e não vejo dificuldade nesse quesito.


E se há justiça nesse mundo, Manchester também leva o prêmio de Melhor Roteiro Original. La La Land não merecia nem ser indicado nessa categoria. Já o trabalho de Lonergan merece reconhecimento. Com seu background teatral, são poucos os que conseguem elaborar diálogos tão verossímeis e naturais dentre seus personagens.


A outra certeza quase garantida nessa premiação é Viola Davis, por seu papel coadjuvante em Fences. Apesar de que a estatueta deveria ir para Michelle Williams, que possui pequeno mas impactante na trama de Manchester. E já faz algum tempo que Williams vem merecendo o prêmio, tendo sido indicada em outros filmes como Brokeback Mountain. Desde os tempos de Dawson's Creek que ela vem mostrando uma disposição a se aprimorar, estudar, dominar nuâncias e explorar as possibilidades do ramo que escolheu.


Existe alguma dúvida de que Meryl Streep seria indicada pela vigésima vez? Existe algum filme dela nos últimos 10 anos pelo qual ela não tenha recebido ao menos uma indicação? Não é mais uma questão de seus papéis serem marcantes. É pra marcar página no livro dos recordes. E não estou nem contestando seu talento. Não há dúvida que ela é competente no que faz. O que questiono é se a academia possa ser capaz de ignorar ao menos um dos filmes dela e dar espaço para uma atriz menos conhecida. São cinco escolhidas. Nada mais justo do que dar uma chance para outras que ainda não tiveram seu trabalho reconhecido.


Mas no fundo, tudo se resume a política, e não há dúvida que Streep faz forte campanha a seu favor, como sempre faz em respostas minuciosamente preparadas. Além do que, após seu excelente discurso político no Globo de Ouro, há fortes expectativas para que outros atores façam discursos igualmente apaixonados, denunciando os erros cometidos na administração de Trump e o clima de conflito ideológico que domina o país.


A idolatria tende a congregar para Moonlight. A performance de Mahershala Ali é vista com bons olhos, e fizeram do ator um dos favoritos pra abocanhar o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante*. Além de que, esta foi uma produção barata com pouquíssimos recursos, sem glamour ou nomes de peso. A jornada de um garoto afro-americano que enfrenta as dificuldades do crescimento, da pobreza, da descoberta sexual, acabou por conseguir oito merecidas indicações e chamar a atenção tanto do público quantio da indústria, Até alguns cineastas vem fazendo forte campanha pelo filme.


*Isso sem falar que a etnia de Ali será favorável para a indústria, mostrando que está aberta a qualquer nacionalidade, crença, cultura. O que importa é o indivíduo, não de onde ele vem. Isso na era em que governantes procuram acabar com imigração tem seu devido peso.


Infelizmente, é provável que A Chegada seja um dos ignorados. Amy Adams acabou nem entrando pras indicadas, e a estatueta de Melhor Roteiro Adaptado, que seria sua melhor aposta com certeza irá para Moonlight. Denis Villeneuve merecia Melhor Direção. Este vem se mostrando um dos melhores diretores da atualidade.


Uma outra categoria que me chamou a atenção é a de Melhor Efeitos Visuais. Anteriormente, achava garantida a vitória de Rogue One nesse quesito. Contudo, acabei revendo essa previsão após conferir novamente a adaptação live-action de Mogli - O Menino Lobo. O trabalho do supervisor Rob Legato merece ser premiado. Toda a selva, os animais e cada elemento ambiente foi criado digitalmente, aperfeiçoando técnicas introduzidas em Avatar, e atingindo um realismo nunca antes visto. Quem tenha assistido o filme acredita que o garoto interpretado por Neel Sethi realmente esteve numa floresta.


Rogue One é um aperfeiçoamento do trabalho feito nos filmes anteriores da saga, e por mais ambicioso que seja renderizar tanto Tarkin quanto a Princesa Leia via computação gráfica, o resultado final ainda não ultrapassou o vale da verossimilhança de forma que impeça o espectador de diferenciar eles de um personagem carne e osso. Admiro o trabalho de John Knoll, e considero estes os melhores efeitos já produzidos na saga, mas não é o suficiente para a academia. Por isso, tenho certeza que Mogli leva. Para ter uma idéia, confira abaixo o vídeo de como os efeitos foram produzidos.


Enquanto isso, ficamos na torcida. O Oscar será transmitido nesse domingo, no canal TNT, a partir das 21h.






Posted in Postado por Eduardo Jencarelli às 06:34  

0 comentários:

Postar um comentário