Trailer - O PRIMEIRO HOMEM

(28 de set de 2018)




Estudando cinema, você aprende que um dos fundamentos da sétima arte é que roteiros são máquinas de precisão construídas com um único propósito: colocar o espectador numa montanha-russa de emoções com altos e baixos.


Só que para ter uma boa experiência no cinema, um espectador não pode realizar que está sendo manipulado desta forma. Um diretor abaixo da média geralmente deixa as arestas do roteiro soltas e aparentes para qualquer um perceber. Um bom diretor é capaz de colocar o espectador dentro da história de tal forma que ele nem percebe que está sendo levado pelo roteiro a cada reviravolta. Um excelente diretor consegue deixar o espectador em transe durante duas horas, sem nem perceber que o tempo passou.


É o caso de Damien Chazelle. Em menos de cinco anos, o cineasta conseguiu prender a atenção de Hollywood e de públicos ao redor do mundo com suas obras.


Quem não lembra de Whiplash: Em Busca da Perfeição? Quem viu o filme em 2014 lembra bem de como ficou preso seguindo a trama do jovem baterista, obcecado em se tornar uma lenda do jazz, a ponto de prejudicar sua própria saúde. Miles Teller foi competente no papel principal, mas foi J.K. Simmons quem roubou o filme como o professor abusivo, capaz de derrubar qualquer aluno com esperanças e ambições. Era apenas o segundo filme de Chazelle, e logo de cara levou diversos Oscars. Não acho que uma trama dessas prenderia minha atenção se não fosse a mão capaz de Chazelle na direção.


Depois veio La La Land. O musical conseguiu ser um sucesso de bilheteria maior que Whiplash e também limpou as premiações (só não levou Melhor Filme no Oscar, que foi pra Moonlight, com direito a famosa gafe ao vivo). Pessoalmente, não considero o filme tão bom quanto Whiplash, e acho que Ryan Gosling e Emma Stone não possuem o talento ou versatilidade necessários para dança e música que outros atores semelhantes teriam. Mas em matéria de atmosfera, Chazelle consegue transportar o espectador para uma versão de Los Angeles da década de 1950, repleta de nostalgia, cores e paixão. Não é a toa que o filme ressonou tão bem com o público.


Agora temos o trailer de O Primeiro Homem (First Man). Este é o primeiro filme de Chazelle no qual ele não assina o roteiro. Este fica por conta de Josh Singer (Spotlight, The Post, The West Wing, Fringe). Trabalhando novamente com Ryan Gosling, Chazelle tenta contar a história do astronauta Neil Armstrong, e o impacto psicológico que foi arriscar a própria vida na corrida espacial norte-americana e a chegada na lua, tanto para ele quanto para sua família. Claire Foy (The Crown) interpreta Janet Armstrong.


E pelo trailer, vemos que o diretor aparentemente conseguiu novamente colocar o espectador a beira de um ataque de nervos, como se estivesse preso com vários cintos no cockpit de um ônibus espacial prestes a decolar ou explodir numa bola de fogo. Resta ver se o filme cumprirá a promessa que este trailer demonstra.


O Primeiro Homem estreia em 18 de outubro. Confira o trailer abaixo.





Posted in Postado por Eduardo Jencarelli às 08:46  

1 comentários:

  1. Edward Says:

    Interessante opinião sobre o diretor, cujos trabalhos ainda me são desconhecidos. Espero remediar isso em breve.

Postar um comentário