Tubarão (1975-2015)

(22 de jun de 2015)




Tubarão faz 40 anos de idade nesta semana. O pai do cinema blockbuster, dirigido por Steven Spielberg, foi lançado em 20 de junho de 1975.


Vamos dar uma conferida neste clássico, relembrando alguns de seus melhores momentos e revelando algumas curiosidades de sua produção:



- No verão de 1975, quando o filme foi lançado, ele foi visto por 67 milhões de pessoas apenas nos EUA. A bilheteria ultrapassou a barreira dos 100 milhões de dólares, e manteria esse recorde por dois anos até a estreia de Guerra nas Estrelas, em 1977.


- Spielberg procurou filmar sempre que possível mirando a câmera no mesmo nível que o mar, criando uma sensação de tensão e claustrofobia no público. Cerca de 25% das cenas do filme, incluindo a maioria das cenas no barco foram filmadas com esse ângulo. E houve uso intenso de câmeras seguradas a mão, a fim de conter as marolas e ondas.


- Spielberg não era o diretor original da produção. O diretor original (cuja identidade jamais foi revelada) foi despedido pela Universal após uma reunião com os executivos onde ele sugeriu uma tomada elaborada que introduzisse a baleia. Ao cometer essa gafe, um dos executivos disse que não trabalharia com um diretor que não soubesse a diferença entre uma baleia e um tubarão, e que essa produção não era Moby Dick.


- Spielberg rejeitou a escolha de Charlton Heston para o papel de Brody (que foi para Roy Scheider). A justificativa do diretor foi a de que Heston havia tornado-se referência do personagem heróico que sempre salva o mundo (como ocorrera em Terremoto, de 1974). Caso ele fosse parte da trama, o público não acreditaria que ele pudesse ser vítima do tubarão. Supostamente, Heston não aceitou a rejeição bem, a ponto de fazer comentários negativos a respeito de Spielberg, e também rejeitou a oportunidade de interpretar o personagem do General Stillwell em 1941.


- O cachorro de Brody no filme era o cachorro de Spielberg.


- Existia uma teoria de que o filme não continha nenhum elemento de cor vermelha em qualquer cena, com exceção do sangue das vítimas e do tubarão. Contudo, a teoria nunca teve fundamento, já que há diversas cenas no filme que contém bandeiras norte-americanas, latas de coca-cola, chapéus, dentre outros objetos de cena.




- Como muitos sabem, o tubarão mecânico criado para a produção foi fonte de inúmeros problemas durante as filmagens. Quando o tubarão foi montado, eles o colocaram nas águas de Martha's Vineyard, sem jamais tê-lo testado. O resultado foi que ele despencou direto para o fundo do mar. Pelo fato dele estar quebrado, ele não estava disponível para diversas tomadas, e Spielberg não tinha como adiar essas tomadas devido ao tempo limitado de filmagem que tinha.



- Ao mesmo tempo, muitos tinham a opinião de que o tubarão não era realista o suficiente para aparecer no filme. Spielberg e a montadora Verna Fields editaram o filme de tal forma que o público veria pouquíssimas tomadas com o tubarão, de forma a esconder suas imperfeições. Além disso, a ausência do tubarão criou um nível extra de suspense que funcionou de forma perfeita ao lado da trilha sonora de John Williams.


- Os problemas do tubarão mecânico também inspiraram Spielberg a adotar uma solução bastante criativa: filmar o ponto de vista do animal. Dessa forma, saberíamos o que ele estava fazendo sem precisar mostrar o modelo, e colocando o público no ponto de vista do vilão.



- O tubarão mecânico recebeu um apelido carinhoso da equipe: Bruce. Uma das versões, a de corpo inteiro, faz tour por museus ao redor do mundo. Já o segundo Bruce tornou-se parte da atração Tubarão no parque de diversões da Universal.






- O filme foi baseado no livro de Peter Benchley, cujos direitos de adaptação foram adquiridos pelos produtores Richard Zanuck e David Brown por 175 mil dólares. Benchley inclusive pode escrever as primeiras versões do roteiro. Todas foram rejeitadas por Spielberg, que as reescreveu com Carl Gottlieb.


- A princípio, Richard Dreyfuss havia recusado o papel de Hooper, mas voltou atrás em sua decisão quando viu as primeiras impressões de O Grande Vigarista, que para ele foram negativas. Sua recisão o levou a colaborar com Spielberg em contatos imediatos em seguida.


- Um acidente no set fez com que o tubarão afundasse. Enquanto Spielberg dava ordens para resgatar os atores da água, a câmera afundou. Os negativos tiveram de ser transportados para um laboratório de película em Nova York. Eles foram capazes de salvar as cenas filmadas.


- O motivo pelo qual Martha's Vineyard foi escolhido como palco de filmagens foi pelo fato da água ser rasa. Mesmo longe da costa, o fundo do mar não passava dos 15 metros de profundidade, o que facilitava as filmagens.

Posted in Postado por Eduardo Jencarelli às 14:36  

0 comentários:

Postar um comentário