A História de Westworld

(5 de out de 2016)




Westworld estreou neste domingo na HBO, dando início a uma temporada de 10 episódios. A série conta com Evan Rachel Wood, Anthony Hopkins, Jeffrey Wright, Ed HarrisThandie Newton, e muitos outros.


A série, produzida por J.J. Abrams, Jonathan Nolan e Lisa Joy, mostra um parque temático de cunho western populado por robôs cuja semelhança com o homem é imperceptível. Isso permite aos visitantes participarem de histórias western onde tem a liberdade de fazer o que quiserem com os robôs, incluindo matar ou estuprar. Eventualmente, os robôs começam a ganhar consciência e se rebelam contra os visitantes e a equipe de humanos que mantém o parque.


O episódio-piloto mostrou uma narrativa intrigante e repleta de potencial. O público vê os robôs revivendo os eventos do dia-a-dia repetidamente, lembrando muito o clássico Feitiço no Tempo. Com poucas variações, os robôs seguem suas atividades, sem terem noção do que realmente são ou de que tem suas memórias apagadas no fim de cada ciclo.


A série é uma aposta alta do canal, que espera ter um novo sucesso pós-Game of Thrones em sua grade. O que o público mais jovem não deve saber é que a produção é na verdade um remake de um filme do mesmo nome de 1973.


Lançado naquela época, Westworld foi um dos primeiros filmes de sucesso do autor/diretor Michael Crichton. Muitos lembram do filme devido a marcante presença de Yul Brynner como o pistoleiro que revela ser um robô no final (cujo uniforme lembra muito o usado por ele em Sete Homens e um Destino). O filme também contou com a presença de Richard Benjamin e James Brolin.


Contudo, Crichton ficou insatisfeito com o resultado final da produção. Sua visão ia muito além. Ele teve de cortar várias cenas a mando da MGM, estúdio que desejava garantir uma censura mais leve. Supostamente, o corte original continha mais cenas de violência. Além disso, os efeitos especiais não haviam atingido um nível de qualidade alto o suficiente, o que afetaria o realismo de diversas cenas.


Outro entrave na produção foi o orçamento apertado. Crichton teve apenas 1 milhão de dólares. Cerca de 10% do que George Lucas teria para gastar no primeiro Star Wars. Isso resultou em um filme bastante curto, cuja duração nem atinge 90 minutos. Essa restrição orçamentária também afetou os efeitos especiais. De qualquer forma, Crichton e sua equipe foi capaz de gerar algumas tomadas bastante inovadoras, dentre elas mostrar o ponto de vista do robô. Esse foi um elemento que acabou influenciando a estética de futuras obras de ficção científica, incluindo o primeiro Exterminador do Futuro.


Robôs adquirindo características individuais que realizam a ameaça que humanos representam sempre foi um tema na ficção científica de caráter distópico. A capacidade de uma inteligência artificial realizar seu potencial e sobrepor sua programação é vista em filmes como Blade Runner e 2001: Uma Odisséia no Espaço. Se um humano é capaz de brincar de Deus, o que impediria os robôs de se rebelarem contra seus criadores?


A trama de um parque cujos visitantes são ameaçados pelos "brinquedos" do local lhe parece familiar? É evidente que Crichton praticamente reciclou todos os elementos da trama quando escreveu Jurassic Park anos mais tarde.


Inclusive, uma outra questão pertinente é se o homem realmente se encontra no direito de criar e manipular uma entidade desta forma. O quanto brincar de Deus pode gerar em termos de repercussões? Essa é uma questão recorrente nos filmes dos dinossauros geneticamente criados. Claro que quando se tem uma megacorporação por trás do projeto, quem seria capaz de impedir? Crítica aos métodos de produção em massa em prol de um consumismo desenfreado é um tema recorrente nas obras de Crichton. Até que ponto o homem está disposto a comprometer seus ideais em nome do lucro?


Ironicamente, o filme Jurassic Park é literalmente uma megaprodução bancada pela megacorporação.


Apesar da insatisfação de Crichton, o filme rendeu dinheiro nos cinemas. Isso motivou a MGM a segir adiante com uma continuação, mesmo sem o cineasta. Futureworld foi lançado em 1976, com outra equipe responsável pela direção e roteiro, e com Peter Fonda e Blythe Danner nos papéis principais. Anos após o parque original ser fechado, um repórter infiltra o novo parque de temática futurista, duvidando da capacidade de seus idealizadores de superarem as falhas que causaram a rebelião dentre os robôs. Mesmo tendo Yul Brynner de volta como o pistoleiro, o filme teve uma recepção bem mais morna dentre o público.


Não que a MGM estivesse pronta para dar um fim a franquia. Ainda houve uma tentativa de produzir uma série de TV em 1980. A trama deste seriado seguia um chefe de segurança que tentava impedir o cientista maluco responsável pelos robôs de infiltrá-los na sociedade para dominar o mundo. Acabou que Beyond Westworld teve 5 episódios produzidos, e apenas 3 deles foram ao ar antes de ser cancelada pelo canal CBS.


Além disso, o filme inspirou diversas homenagens e paródias com o passar dos anos. Há mais de 20 anos atrás, Os Simpsons fizeram um episódio em que a família vai a um parque de Comichão e Coçadinha que termina com os robôs se virando contra os visitantes.


Houve também uma tentativa de trazer Westworld de volta aos cinemas em 2002, com Arnold Schwarzenegger no papel do pistoleiro, escrito pelos roteiristas do Exterminador do Futuro. O projeto estava caminhando rapidamente com apoio da Warner Bros. Entretanto, a carreira política do ator acabou interrompendo o projeto, que ficou mais de 10 anos engavetado até que o produtor Jerry Weintraub convencesse a HBO de bancar a iniciativa. Após o sucesso do telefilme Behind the Candelabra no canal, produzido por Weintraub, eles estavam dispostos a ir em frente com a produção. Foram três anos de dificuldades e atrasos até que Nolan e Joy conseguissem finalizar os episódios.


Resta ver se a série tentará se diferenciar do filme, e se Nolan e Joy conseguirão achar uma forma de manter o espectador concentrado na narrativa da forma como fizeram neste primeiro episódio. Eles comentaram numa coletiva de imprensa que tinham planos para cinco temporadas.


Fique com uma cena do filme original abaixo:




Posted in Postado por Eduardo Jencarelli às 12:45  

0 comentários:

Postar um comentário